Todos Somos Timóteo Pinto

Friday, November 11, 2005

Timóteo Pinto para Presidente

Tuesday, November 08, 2005

Como ser Timóteo Pinto no orkut

Timóteos Pintos e Antonietas Aparecidas desse Brasil tem pedido a Timóteo Pinto insistentemente: "ah, me passa a senha do orkut aí, vái, me passa, me passa, pleeeeease"

Pessoal, vocês não estão entendendo, percebem? vocês não estão entendendo

Para não acontecer o que aconteceu com a conta do primeiro Timóteo Pinto orkutiano, que teve a senha modificada, Timóteo Pinto recomenda você ser seu próprio Timóteo Pinto.

Com um email gratuito qualquer é facílimo de fazer. Siga os seguintes passos:

1 - Faça uma conta em um email gratuito: Gmail, Yahoo Mail, Hotmail, ou qualquer outro. Se você quiser uma conta no Gmail, mande um email para Timóteo Pinto (timoteop@gmail.com), que ele te manda um convite.

2 - Faça uma conta no Google com esse email recém criado

pronto, agora você também é Timóteo Pinto no orkut

não é facil?

Saturday, November 05, 2005

PIPA - Partido Interestelar Parrachiano Anarco-Discordiano

Nonsense
Psicodelia
Surrealismo
Estranhamento Cognitivo
Psicose
Histeria

Site Oficial: http://pipa.fateback.com
Blog: http://pipa55.blogspot.com
Comunidade no Orkut: http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=3101865

Monday, October 10, 2005

O sexo do condividuo

O canto dos passaros... tao singular como afrodisiaco, sexo.. sim, o voar cataclismatico das intemperies canadenses, dos passaros estados-unidenses, e o flutuar carioca da brisa do mar, irmao blissett ainda conhecera nosso barco. O sexo, ora isso, ora aquilo, se destingue pela relaçao-contato genital, nu contato com zonas erogenas entre dois ou mais seres, que pode ou nao levar ao gozo, ou ao apice energetico e sua diminuiçao posterior. Enquanto dois seres multiplos e singulares na sua diversidade unica, o contacto entre dois condividuos ou o contacto consigo mesmo (de duas partes de sua personalidade) atribui ao condividuo um carater onanastico shimoniano, que masturbando-se-sexualmente a si proprio, produz um contato sexual multiplo.

Isso nos leva a experiencias indigenas de proliferaçao organismica bio-energetica de plantas atraves do sexo perto das mesmas, e esse carater-florido sexo-influencia pode ser perpassado aos seres humanos... o contato sexual em um recinto aberto-fechado pode levar a grandes ondas sexuais-masturbatorias. Em vez de nos fecharmos em um quarto, Timoteo Pinto deveria, nao obstante, abrir as portas e praticar o coito consigo mesmo, enquanto estrela, Eu posso evocar o sonho e a fantasia e tornar reais tais prometeias pois a psicose degenerativa da minha personalidade é, com efeito, a multiplicaçao da evoluçao sexual enquanto cadeia dogmatica-incestuosa-incerta.

Fazendo o incesto consigo mesmo, enquanto membro da mesma familia, o Timoteo Pinto cria a orgia, pois é muitos e nenhum. Assim torna-se o que sempre foi, um vilao sagrado da historia de um porco alado, chamado Harashinga.
A argumentação (sur)realista como geradora de confusão

Entendemos a confusão, o caos individual e o não-sentido como o primeiro momento de desterritorialização do indivíduo. Sendo através deste ato apriore, carregado de sentimento nonsense, o impulso inicial de uma pretensa reação cheia de significado, contestador por si só.
Eu sou o herói coletivo, e necessário, para não criarem por ai fantoches e propagandas, heróis presos ao ego mentiroso... eu sou o mito renascido, você e aquela moça ali do lado... deixaram o sorvete cair e Timóteo Pinto pegou e lambeu! Timóteo Pinto veio roubar sua história porque fui eu quem escreveu, Timóteo Pinto é a singularidade coletiva, o ápice do desejo da Vontade, manifesto como o manifesto, do lábaro do caos, o caso asco do saco. O eu é um instrumento de dominação, e vim por revelia, mostrar-lhe a tirania de ser um indivíduo próprio... Não irmãos, não vim trazer-lhes o ocio, apenas o OBVIO, que é que podemos sacanear o poder, a história e a memória de nossos ancestrais... nos antigos tomos da história, lá estarei eu em teus anais ...Timóteo Pinto o atavismo do pinto, o moderno Prometeu, o antigo Zeus, que se fudeu porque comeu mulher demais... agora é tempo de pular corda em cima da midia e dos planos tiranais!
Existe um detalhe crucial na questão do plágio: assim que uma pessoa publica algo, automaticamente deixa de ser dono. Aquilo passa a ser parte do que poderemos chamar de Patrimônio Cultural da Multidão (odeio coisas como, povo, humanidade ou massas). Se pertence a todos, não reconheço o plágio como um roubo, apenas como uma apropriação do que é coletivo. Se eu aceitar a venda de cópias de meu trabalho, se eu obter lucros diante da reprodução de cópias e mais cópias, podendo chegar a milhões de cópias, como em muito casos ocorre, que moral terei eu pra dizer que sou contra a propriedade privada? E eu sou contra a propriedade privada sim e sou contra a propriedade intelectual também. Mas meu Deus, Timóteo do céu, como os caras vão sobreviver? Pois aí é que está o cerne da questão, aí já entramos na questão da maneira como vejo a arte. É uma merda que arte seja uma especialização, que seja coisa de artista. Roubaram a arte de nós. Com o tempo aprisionaram-na num modelo funcional que a faz ser privilégio de pouco$. Um artista até pode viver de sua arte, é claro, um artista pode até querer ficar rico e famoso, também é óbvio; só não venha querer me convencer a seguir essas regras odiosas nas quais acredita e as quais segue. Eu não reconheço essas regras e como JÁ SOU livre, posso seguir as minhas. Aprofundando ainda mais a questão (essa é foda) eu diria que o plágio inclusive pode facilitar conexões inusitadas, como por exemplo, o o caso de pessoas que acessam um site absolutamente nada a ver com o do autor-inicial do texto. Em casos como esse uma nova conexão sinóptica foi feita, através de uma fraude, através de um bug cultural. Sabotagem Cultural? Terrorismo Cultural? Vandalismo Cultural? Poderíamos especular até a exaustão. Esse tipo de Bug Cultural alimenta ainda mais a Sopa Criativa do Caos.
Max Weber X Timóteo Pinto - O condivíduo ataca!

A produção e santificação de heróis populares. O condivíduo é a potencialização da subversão. E essa é a introdução... Não pretendo aqui fazer um ensaio ou uma análise acadêmica. Essa é a idéia que bateu e escrevi. Vejamos... Segundo Weber há três tipos de poder: o carismático, o tradicional e o racional. O racional é o Estado hoje, que é impessoal e despersonalizado: uma mudança de presidente não afetará em nada a máquina do Estado. Quanto mais o poder racional for impessoal mais fraco ele será, pois a falta de figura do soberano (rei, por exemplo) para causar medo ou amor na multidão deixa a mercê da mesma - estamos em território inimigo, e o inimigo está em nós. Não há mais o 'vigiar & punir'. As instituições coercitivas agora estão dentro de todos. Já o poder carismático é aquele que movimenta a história, ou seja, as celebridades, os líderes! Um exemplo é a democracia na modernidade onde um líder faz com que a multidão siga-o e fique calada. Outro exemplo, Lênin como o profeta e grande líder. Nessa situação, os anarquistas ficaram em um beco escuro e fedido: se os líderes é que movimentam a história, o que fazer? Afinal, como resolveriam isso, já que líderes são como demônios para eles? É, parece que a teoria anarquista deu com os burros na água....mero engano. QUALQUER UM PODE SER TIMÓTEO PINTO!!!
Timóteo Pinto: todos que assumem a identidade do condivíduo são os tais líderes que Weber diz. A história da humanidade não fica mais nas mãos de líder Che Guevara ou líder Lênin, há o retorno para a mão dos homens do controle sobre a história: todos são Timóteo Pinto. O resultado dessa "brincadeira de adolescentes", segundo o main stream que fora fraudado muitas vezes por Timóteo Pinto, é a imensa produção que saiu da teoria e foi para prática, teorias com a reflexão do que foi feito na prática e, enfim, houve a produção desse imenso caldo subversivo. O condivíduo é, de um modo de ver, a centralização das forças subversivas. Coletivos e pessoas a deriva, todos alimentando a mesma criatura. Entretanto, a descentralização se dá pela mesma razão centralizadora, por ser um projeto que todos podem participar, basta renunciar a sua identidade única imposta. Como as autoridades controlam uma criatura de múltiplas faces e múltiplos braços? Como Timóteo Pinto cairá nas garras do espetáculo, se ele frauda o próprio espetáculo? Ora ora, Guy Debord não esperava por essa. As imagens selecionadas cuidadosamente não são tão cuidadosamente selecionadas, a mídia manipula e é manipulável. Che Guevara está morto, Timóteo Pinto também. O segundo ainda vive. Essa é a contradição de um múltiplo ser!
A diferença entre os líderes descritos por Weber e Timóteo Pinto é que em um eu posso ser eu mesmo.
O poder da informação é a grande cauda que a serpente há de engolir... Mas sem querer constituir riqueza e muito menos obter o poder constituído. O veneno e o antídoto ! Relação binária,dicotômica e ...suicida ! Se a mentra é o suicídio da verdade,façamos circular boatos,plantar notícias falsas. Envie para a imprensa da sua cidade,cartas,telefonemas de boatos e rumores. Faça os jornalistas publicarem tais "notícias",e depois através de um telefonema,desminta tudo como se não passasse de uma brincadeira de criança... E sob a acusação de mentiroso que vieres a vir sofrer,rebata-os afirmando que você disse apenas uma mentira,e que essa mentira não é nada perto das mentiras diárias que esses mesmos jornais e tvs publicam e " informam "... FAÇA A IMPRENSA E A MÍDIA DE TROUXAS !!!

PlagiAção

Somos fruto de uma cultura recombinante, onde os textos, as frases, as palavras estão se tornando dinâmicas, interagindo num ritual onde você não consegue mais distinguir o leitor do autor. O plágio é necessário. Ele aproveita uma frase de um autor, faz uso de sua expressão, apaga uma falsa idéia e a substitui pela idéia certa. O texto é alterado e passado para frente. As idéias se aperfeiçoam. O progresso implica nisso. Agora com a internet temos o potencial de que aja uma maior participação de todos na produção cultural. Uma democracia cultural! O presente requer que repensemos e reapresentemos a concepção de plágio. Sua função tem sido há muito desvalorizada por uma ideologia que tem pouco lugar na tecnocultura. Deixemos que as noções românticas de originalidade, genialidade e autoria permaneçam, mas como elementos para produção cultural sem nenhum privilégio especial acima de outros elementos igualmente úteis. Está na hora de aberta e ousadamente usarmos a metodologia da recombinação para melhor enfrentarmos a tecnlogia do nosso tempo. Confirmo: sou um plagiador!